OBJETIVOS DO BLOGUE

Olá, bem-vindo ao blog "Chaves para a Sabedoria". A página objetiva compartilhar mensagens que venham a auxiliar o ser humano na sua caminhada espiritual. Os escritos contém informações que visam fornecer elementos para expandir o conhecimento individual, mostrando a visão de mestres e sábios, cada um com a sua verdade e experiência. Salientando que a busca pela verdade é feita mediante experiências próprias, servindo as publicações para reflexões e como norte e inspiração na busca da Bem-aventurança. O blog será atualizado com postagens de textos extraídos de obras sobre o tema proposto. Não defendemos nenhuma religião em especial, mas, sim, a religiosidade e a evolução do homem pela espiritualidade. A página é de todos, naveguem a vontade. Paz, luz, amor e sabedoria.

Osmar Lima de Amorim


Mostrando postagens com marcador interpretação. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador interpretação. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 14 de janeiro de 2021

A ARTE DE CUIDAR

"A arte de cuidar é a de saber escutar. Escutar não é só ouvir; é também interpretar, capaz daquilo que chamamos de ciência e arte da hermenêutica. Como diziam os antigos rabinos, cada frase biblíca é suscetível de pelo menos 72 interpretações. Ou seja, cada sintoma, cada sonho, cada crise que vivenciamos é suscetível de pelo menos 72 interpretações. Isso nos previne contra o flagelo contemporâneo do fundamentalismo e do fanatismo; não só o religioso, também o fundamentalismo mercadológico, ideológico, pedagósico, psiquiátrico, político etc.

Fundamentalismo é superficialismo e literalismo, é tomar a parte pelo todo; é o naufrágio da intepretação, o que nos torna objeto das circunstâncias, já que nós somos livres na justa medida da nossa capacidade de interpretar. Nós não somos livres com relação àquilo que nos chega, que pode ser um tsunami, um terremoto, uma crise econômica, uma perda. A nossa liberdade consiste no que somos capazes de fazer com aquilo que nos chega, e isso demanda interpretação.

Uma pessoa que aprendeu a interpretar não vai se deixar soterrar pelas adversidades, pois a única crise intolerável é aquela para a qual não temos como dar nenhum sentido. O único sofrimento que pode nos destruir é aquele que não interpretamos. Se você é capaz de interpretar, extrairá sentido do que quer que aconteça, e conseguirá se colocar de pé e prosseguir.

'Te vejo. Estou aqui'. Essa expressão vem da tradição xamanística da África do Sul. Quando as pessoas vão saudar umas às outras, no idioma zulu, dizem sawubona, que significa te vejo; e a resposta é sikhona, que significa estou aqui. Eis o coração de uma nova educação: educar para ver, para a presença, para cuidar, para escutar, para interpretar. É atender ao telefone que toca [um celular tocou na platéia]. Toda crise é um telefone que toca e nós precisamos atender, escutar e interpretar, senão ele vai continuar tocando, às vezes com outros números.

Infelizmente, no que denominamos de normose, a patologia da normalidade, afirmamos: 'Tomou doril, a dor sumiu'. Você vai ao médico com um problema e, quando normótico, a única atitude desse técnico será eliminar o sintoma. Certa vez uma pessoa me procurou no consultório com dor nos seios, depois de ter consultado muitos médicos em vão. Ela já estava com algumas fantasias catastróficas a respeito dessa dor. Indaguei se ela podia se colocar no lugar dos seios e falar como se fosse eles. Ao entrar em contato com essa parte do corpo, ela imediatamente se conectou com algo que tinha recentemente acontecido: havia se separado do marido e abriu mão da guarda do filho. Desde então, os seios da maternidade começaram a doer. Quando ela pôde fazer a catarse, redecidindo a tua atitude, saiu do consultório sem dor. Mas imagine se não tivesse escutado o seu sintoma, se não o tivesse interpretado... Um dia, faria uma doença física. Geralmente as doenças começam num plano mais sutil e depois contagiam o plano concreto, que é o físico."

(Roberto Crema - A arte de cuidar - Revista Sophia, Ano 11, nº 41 - p. 8/9)