OBJETIVOS DO BLOGUE

Olá, bem-vindo ao blog "Chaves para a Sabedoria". A página objetiva compartilhar mensagens que venham a auxiliar o ser humano na sua caminhada espiritual. Os escritos contém informações que visam fornecer elementos para expandir o conhecimento individual, mostrando a visão de mestres e sábios, cada um com a sua verdade e experiência. Salientando que a busca pela verdade é feita mediante experiências próprias, servindo as publicações para reflexões e como norte e inspiração na busca da Bem-aventurança. O blog será atualizado diariamente com postagens de textos extraídos de obras sobre o tema proposto. Não defendemos nenhuma religião em especial, mas, sim, a religiosidade e a evolução do homem pela espiritualidade. A página é de todos, naveguem a vontade. Paz, luz, amor e sabedoria.

Osmar Lima de Amorim


sábado, 29 de agosto de 2015

O QUE É O AMOR (1ª PARTE)

"Se para o cientista o mundo é a corporificação da sobrevivência do mais forte, para o homem comum ele é - e em igual extensão, senão maior - a corporificação do princípio do amor. Encontramos o amor em toda parte: no ninho do pássaro, na toca da fera, no lar do homem. O amor é, na verdade, a emoção que guia o coração dos seres sencientes. Se a sobrevivência do mais forte significa a destruição do fraco, o amor significa criação e proteção. 

Muitos já falaram e escreveram a respeito do amor. Ele foi descrito de várias formas: amor pelo superior, cuja melhor expressão é o amor filial; amor pelo igual, cuja melhor expressão é o amor conjugal; e amor pelo inferior, cuja melhor expressão é o amor paternal. Supõe-se que a natureza e a qualidade do sentimento sejam diferentes em cada caso. (...)

O primeiro aspecto do amor é a atração de um ser por outro e o desejo de maior proximidade - física, mental e espiritual. Esse fator é inseparável do amor, quer seja de uma criança por seus pais, de um discípulo por seu guru, de um amigo ou de um cônjuge por outro. Parece que, sem essa atração natural - para a qual não se pode atribuir qualquer razão - não existe o verdadeiro amor. O mesmo vale para a relação entre homens e animais. Podemos encontrar milhares de exemplos da mais fervoroso ligação entre eles, o ser que ama e o ser amado sendo atraídos um pelo outro, irresistivelmente e por razões inexplicáveis. 

A atração traz consigo o inevitável desejo de estar fisicamente tão próximos quanto possível; de, mentalmente, não ter segredos; e de, espiritualmente, ter aspirações e empenhos comuns. A separação traz tristeza, e agir sem consultar o outro parece impróprio; ter aspirações e esperanças diferentes parece um sacrilégio. Isso ocorre sempre que existe um forte amor, seja a pessoa amada superior, igual, ou inferior à pessoa que ama. 

Esse princípio se aplica também ao caso da criança e do animal. Queremos estar juntos de uma criança muito amada, mesmo que ela ainda não saiba se expressar; queremos estar próximos de nossos animais de estimação, embora não nos deem qualquer resposta inteligível. (...) O forte amor - até onde diz respeito à emoção - nos impele em direção a sentimento semelhante. Sua expressão externa, no entanto, é diferente em diferentes casos: um bebê toca seus pais; um amigo pode dar um vigoroso aperto de mão; o marido pode abraçar a esposa; o dono pode dar tapinhas em seu cão. Em todos os casos, vemos que o desejo de se aproximar tanto quanto possível do ser amado é um fator sempre crescente. O desejo de proximidade é inseparável da afeição. Vemos, porém, que existe fundamentalmente apenas um tipo de amor e que sua natureza é a mesma, qualquer que seja o objeto do amor. (...)"

(Sri Prakasa - O que é o amor - Revista Sophia, Ano 13, nº 54 - p. 13/14)


Nenhum comentário:

Postar um comentário