OBJETIVOS DO BLOGUE

Olá, bem-vindo ao blog "Chaves para a Sabedoria". A página objetiva compartilhar mensagens que venham a auxiliar o ser humano na sua caminhada espiritual. Os escritos contém informações que visam fornecer elementos para expandir o conhecimento individual, mostrando a visão de mestres e sábios, cada um com a sua verdade e experiência. Salientando que a busca pela verdade é feita mediante experiências próprias, servindo as publicações para reflexões e como norte e inspiração na busca da Bem-aventurança. O blog será atualizado diariamente com postagens de textos extraídos de obras sobre o tema proposto. Não defendemos nenhuma religião em especial, mas, sim, a religiosidade e a evolução do homem pela espiritualidade. A página é de todos, naveguem a vontade. Paz, luz, amor e sabedoria.

Osmar Lima de Amorim


domingo, 18 de novembro de 2012

CADA HOMEM É UMA ILHAZINHA IGNORANTE NO ARQUIPÉLAGO DA HUMANIDADE


“Era uma vez um arquipélago em mar bonito e largo soprado de ventos suaves e de atmosfera sempre limpa. Nunca se vira nele um tufão.

Naquele mar, sempre a tranqüilidade. Na alma de cada ilha, e entre as ilhas, a paz não existia. Ao contrário, eram vaidosas e estavam sempre competindo.

Dizia uma:

- É nas minhas águas que os pescadores acham as pérolas mais valiosos para enfeitar o colo das princesas.

A outra retrucava:

- Esqueces que é nas minhas praias que os poetas do reino, enamorados, compõem os mais belos cânticos. Fazem canções que amenizam os sofrimentos do povo pobre e também dão encanto aos sonhos de amor das princesas.

Uma terceira interferia:

- Onde é que os pescador acham alimento? É nas minhas águas que apanham peixes, tartarugas, camarões... É de mim que retiram o sustento dos filhos. O que sobra vão vender no mercado.

Passaram-se, dias, meses, anos, séculos... Sempre a paz no mar. Sempre a fixa no arquipélago.

Numa tarde, de repente, uma das ilhas começou a sacudir-se e, em poucos minutos, agitada em agonia vulcânica. Desfazendo-se ruidosamente, desapareceu sob as águas.

Enquanto isso, as outras, ainda estupidamente rivais, embora aparentando compaixão, para si mesma diziam:

- Antes ela do que eu.

Demorou um pouco. Também foram atingidas pela comoção da plataforma, foram igualmente tragadas pelo fogo e pelo mar.

De si mesma e das outras, cada ilhazinha conhecia apenas o que ficava acima da água. Ignoravam que, no fundo, eram uma só. Ignorantes, não percebiam que o mal ou o bem não atingiria uma sem atingir as outras. Por isso eram orgulhosas, estúpidas e rivais.

Cada homem é uma ilhazinha ignorante no arquipélago da humanidade.”

(Hermógenes – Mergulho na paz – 153/154)

Nenhum comentário:

Postar um comentário